Para Freire, dívida de R$ 2,2 tri a sucessor é irresponsabilidade de Lula e PT

Publicado por valeria | Categoria(s): Economia | Em: 18-05-2010

Montante é o maior dos últimos dez anos e corresponde a 64,4% do Produto Interno Bruto

O presidente nacional do PPS, Roberto Freire, disse que o presidente Lula e o PT votaram contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e tiveram comportamento compatível com essa atitude ao governar. “Foram irresponsáveis no poder ao deixar para o sucessor uma dívida de R$ 2,2 trilhões”. O montante significa 64,4% do Produto Interno Bruto, a soma das riquezas produzidas no país. É o maior dos últimos dez anos.

O crescimento da dívida é avaliado por especialistas ouvidos pelo jornal O Globo como “fator de risco futuro, principalmente para a credibilidade do Brasil no mercado”. A elevação da dívida a patamar tão preocupante foi movida por chamados “empréstimos” realizados pelo Tesouro com o BNDES por meio da emissão de títulos públicos desde o ano passado, informa o jornal.

Fragilidade fiscal

A maior parcela refere-se à dívida interna. O problema causa preocupação, principalmente depois da crise na zona do euro, que evidenciou a fragilidade da saúde fiscal dos países e governos. Felipe Salto, da Consultoria Tendências, disse a O Globo que o próximo governo do Brasil terá o desafio de mostrar que a dívida bruta do país vai cair em relação do PIB.

O governo Lula usa truques para realizar manobras de reforço do caixa do Tesouro e abrir possibilidades para gastar ainda mais. O BNDES é o instrumento das manobras. Revigorado pelo dinheiro do Tesouro – os “empréstimos” –, o banco repassa quantias cada vez maiores à União.

Não há sinais de preocupação do governo com o aumento exagerado da dívida bruta. Mas, conforme ressalta Salto ao jornal carioca, ela é um indicador importante no uso de mecanismos de expansão do crédito.

Valéria de Oliveira – assessora

Comente